Delfim Netto

Uma das mentes mais conceituadas e brilhantes da economia e da política brasileira, tinha o status de super ministro durante os governos da ditadura militar, o promotor do milagre econômico brasileiro.

Delfim Netto

Delfim Netto

Durante a década de 70, o paulistano Antônio Delfim Netto, divide opiniões mas é unanimidade quando o assunto é sua inteligência e competência, demonstrado durante seus 82 anos de vida.

Personalidade forte e divisa de opiniões

Crescimento

Crescimento

Delfim Netto foi o grande articulador do crescimento econômico brasileiro durante os governos militares dos generais Costa e Silva, Médici e João Figueiredo. Foi o grande responsável pelo crescimento do Produto Nacional Bruto à taxas de quase 10% ao ano, tendo em mente a tese que a riqueza brasileira deveria ser considerada pelos especialistas e pelo mercado como um bolo.

Justamente aí mora o ponto da discórdia das teorias do super ministro, pois, baseado na intenção do fortalecimento das reservas nacionais em cima de incentivos à exportação, à abertura das portas para o dinheiro estrangeiro, através do investimento de grandes empresas no país, sustentado nesse ponto pela promessa de que era preciso encorpar a massa do bolo para que depois, estando forte e com sustância, esse bolo pudesse ser dividido com o cidadão comum em forma de benefícios como o serviço público gratuito, aumento dos pisos salariais e uma melhor distribuição de renda ao cidadão brasileiro.

A corrente idealista de Delfim Netto, que norteou suas teorias e gestões econômicas é a de que o melhor controle contra o monstro inflacionário seria a de controle austero sobre a emissão de dinheiro, logo isso se traduzindo numa realidade de congelamento de salários e a alta dos índices tributários, sempre em nome do fortalecimento do país, com base em suas reservas monetárias.

Curriculum público

Público

Público

Delfim Netto entrou para a vida pública em 1966, quando foi indicado pelo então governador Roberto Campos para a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, sendo um ano mais tarde convocado pelo General Artur da Costa e Silva para assumir o Ministério da Fazenda, cargo do qual se afastou em 1974, quando foi recolocado pelo General Ernesto Geisel como embaixador do Brasil na França, ficando naquele país até 1979.

Neste ano, é chamado pelo presidente João Baptista Figueiredo para assumir o Ministério da Agricultura, onde ficaria por alguns meses e lhe seria dada a maior responsabilidade de sua vasta carreira: assumir o Ministério do Planejamento. Nesse cargo, assumiu às negociações da dívida externa brasileira com os credores e o Fundo Monetário Nacional, em 1985.

Hoje

Sempre na vida política ao lado dos militares, pela Aliança Renovadora Nacional, a ARENA, ingressou na Assembléia Constituinte pelo voto direto em 1986, pelo recém fundado PDS, que na verdade era o mesmo partido só que com nome alterado, sendo reeleito em mais quatro oportunidades, entre os anos de 1986 até os dias de hoje.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Fatos

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *