A Carreira de Reginaldo Rossi

Reginaldo Rossi (Reginaldo Rodrigues dos Santos, nome de batismo) começou a carreira musical em 1963, ao lado de outros amigos, entre eles, Fernando Filizola, criou o grupo “The Silver Jets”, que abriam os shows dos cantores da Jovem Guarda na cidade do Recife. O cantor que se tornou o maior ídolo da música pernambucana e um dos maiores representantes da música popular brasileira ficou no grupo até 1965.

Para Reginaldo Rossi o seu grupo musical “The Silver Jets” era os Beatles do Nordeste brasileiro, mas ele não estava na banda quando eles gravaram o primeiro compacto. Aliás, o primeiro disco do “The Silver Jets” tinha uma versão de uma música do grupo inglês, a “You Like Me Too Much”. 

Apesar do tempo em que esteve com o grupo, o sucesso só veio mesmo para Reginaldo Rossi no ano de 1980, época em que ele voltou para o Recife. Aliás, a maioria do seu público fiel sempre esteve concentrada no Nordeste, mas depois, no auge, o cantor ganhou fãs em todo o Brasil. Falando em sucesso, a sua canção que realmente estourou foi “Garçom”, no ano de 1987, e também, graças a ela, Reginaldo Rossi ganhou o título de “Rei do Brega”. Passou a ser chamado de rei porque as suas apresentações nas emissoras de Pernambuco rendiam altos índices de audiência e fez com que ele se transformasse em um ídolo daquela região.

Ser chamado de “brega” no início não agradava muito a Reginaldo Rossi, que tinha mudado o seu estilo do começo, entre os anos de 1960 e 1970. Aliás, durante os shows, algumas músicas do início da sua carreira eram obrigatórias no repertório, como: a de 1967; Maior que Deus, 1970, Era Domingo; 1971 Tô Doidão; Meu Bem; Deixa de Banca, entre outras.

Depois de muito evitar o título de brega, Reginaldo Rossi, acabou aceitando porque percebeu que ele tinha “companhia”. Mas, fez questão de em uma entrevista dizer que a música francesa tocada em lugares chiques do país também era brega e que isso significa que ela poderia ser entendida por qualquer pessoa, por uma dona de casa, um gari e um intelectual. E não parou por aí, citou letras de algumas músicas de Roberto Carlos e de Caetano Veloso, que também, segundo o cantor, são bregas e agradam ao público.

Aliás, falando em música, Reginaldo Rossi revelou que o seu compositor erudito preferido era Mozart e segundo ele, também poderia ser colocado na categoria “brega”. E na hora das entrevistas, Reginaldo Rossi aproveitava para falar mal da MPB, que segundo ele, não tinha a linguagem popular.

A Vida Pessoal de Reginaldo Rossi

Reginaldo Rossi era filho de um “quase” artista de circo, Porfírio Rodrigues ou Zé Fuinha. O pai do cantor além de contar piadas, sapateava e cantava. Ele perdeu o pai cedo, o que fez com que sua mãe, Maria das Mercês, voltasse para a casa dos pais, deixando que Reginaldo Rossi fosse criado pela avó paterna. Como isso aconteceu quando ele ainda era bebê e não tinha sido registrado, os avós paternos, acabaram registrando o menino como se fosse filho deles: Ivan Batista dos Santos e Antônia Rossi.  A família mudou-se para o Rio de Janeiro e Reginaldo Rossi só voltou para o Recife com 13 anos de idade.

Mesmo não fazendo parte de uma família rica, Reginaldo Rossi completou os estudos, passando para a faculdade de Engenharia e chegou a dar aulas de Matemática, até perceber que queria seguir a carreira musical. Foi então que voltou ao Rio, aproveitando o auge da Jovem Guarda e gravou um LP, o seu primeiro contrato foi com a gravadora CBS, que tinha nomes como Roberto Carlos e Wanderléa. 

Apesar de se dizer um boêmio inveterado, Reginaldo Rossi foi casado quatro anos com Celene Neves. Ainda sobre a sua vida pessoal, nunca escondeu as suas paixões pela noite, pelo pôquer e também pelo uísque, uma mistura que qualquer médico diria que era bem perigosa. E foi em 8 de junho de 1995, que o cantor viu que a mistura não era uma boa ideia. Voltando para a casa em Piedade, de manhã, Reginaldo Rossi perdeu o controle do carro que dirigia e bateu num poste que estava no caminho.

Depois de 30 dias hospitalizado, por muita sorte, afirmam as pessoas que viram o estado do carro, ele saiu do hospital sem nenhum sequela. Dizem, que foi um milagre que ele tenha saído com vida do acidente. Porém, por outro lado, o tratamento fez com que ele gastasse todo o dinheiro que tinha acumulado ao longo da carreira e sem fazer shows, obviamente porque estava no hospital, começou do zero quando voltou. 

O Sucesso Musical de Reginaldo Rossi  Totalmente Brega

O seu CD e DVD com o título Cabaré do Rossi não deixou dúvidas de que o cantor tinha assumido de vez o título de Rei do Brega. No álbum, além da popular música Garçom, o cantor ainda gravou uma versão de I Will Survive de Gloria Gaynor e no show de estreia do CD fez questão de falar sobre a ideia de incluir a canção americana no disco e no repertório.

Sua volta depois do acidente que o deixou 30 dias no hospital fez com que ele ganhasse novos fãs, os grupos alternativos da cidade do Recife. Sem falar que muitos grupos de universitários de classe média criaram bandas inspiradas no Rei do Brega.

Reginaldo Rossi sempre se demonstrou muito otimista e simpático, mas em uma das suas últimas apresentações ficou irritado com o barulho que fazia a plateia que o aguardava e muito exaltado, repreendeu o público antes de começar a cantar. Disse a plateia que não entendi histeria no local já que eles estão ali para assistir um show romântico. Aliás, um pouco antes desse episódio ele já tinha revelado para a imprensa de Recife que estava pensando em parar de cantar. E disse mais, que estava cansado de ter que viajar e que depois de viver as maia variadas emoções boas e ruins era hora de parar. 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Cantores

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *