O Início da Carreira de Roberto Carlos

Cantor com 50 anos de carreira completados em 2013, Roberto Carlos é um dos maiores ícones da música brasileira. Enfrentou diversas fases, indo desde a Jovem Guarda até o popular, fase dos últimos singles lançados e provando que não é para qualquer um subir ao palco por tanto tempo e ainda ser ovacionado pelo público. Mas você sabe como ele começou sua carreira?

Um Talento Notável Desde os Primeiros Anos de Vida

Nascido em 19 de abril de 1041, Roberto Carlos é o filho mais novo de um casal humilde de Cachoeiro de Itapemirim, em São Paulo. O seu sucesso foi revelado por ele mesmo, oferecendo-se para cantar na rádio local com apenas 9 anos. Na época, RC interpretava Ted Nelson, um dos cantores de estilo country famosos na época.

A rádio não era como conhecemos hoje. As transmissões eram de shows ao vivo, e por isso as apresentações de Roberto Carlos, conhecido como Zunga, eram para um pequeno público que já se tornou fã do pequeno corajoso. Com seu violão ainda iniciando nos acordes, ganhava bombons depois dos primeiros shows e achava isso maravilhoso. Foram os primeiros aplausos de carreira e antes dos 10 anos de idade!

Adolescência entre os Grandes

Roberto Carlos sempre foi um jovem precoce. Com apenas 15 anos estava na roda de grandes nomes da música em um grupo de discussão musical na Rua do Matoso, no bairro da Tijuca. Os seus colegas de conversa eram Erasmo Carlos e Tim Maia. Começava então a sua carreira de foto.

Por ser jovem e ter uma grande imaturidade musical, apenas usava a sua voz para interpretar versões nacionais de sucessos do Elvis Presley ou dar palhinhas com músicos já pelos palcos cariocas. Sua voz extremamente afinada recebeu elogios no palco do Copacabana Palace apresentando versões de samba canção. Até tentou ir pelo samba canção, mas na época era algo de gente chique, e ele ainda não era famoso e nem tinha dinheiro. 

Na TV

Você sabia que Roberto Carlos já foi apresentador de TV? Foi na TV Tupi nos anos 50, quando ficou à frente do programa Clube do Rock. Foi nesta mesma época que lançou seu primeiro álbum, João e Maria/Fora do Tom, com letras de Carlos Imperial e todo e sua voz. Foi a partir dai que o público começou a observar aquele jovem em ascensão.

Parceria com Erasmo Carlos

Seu grande parceiro de conversa nas ruas cariocas e de história na música foi Erasmo Carlos. São mais de 50 anos de amizade, mais que até sua carreira. Ele também foi seu primeiro parceiro em composição, e a dupla escreveu grandes sucessos que imortalizaram a carreira de Roberto Carlos, como Splish, Splash, É Proibido Fumar, O Calhambeque.

Juntos, Eramos Carlos e Roberto Carlos começaram um movimento musical jovem em que as rádios teriam que abrir espaço da sua querida Bossa Nova para deixar os adolescentes dançarem e cantarem com o Jovem Guarda. Muitos seguiram a dupla bem sucedida e investiram em sucessos para o público consumidor, a juventude. Era esta a maior consumidora de álbuns e que iria de fato lotar o show. Seria o começo de uma nova era.

http://www.youtube.com/watch?v=NqLpbW5vVcE

Mais Uma Vez na TV

Nos anos 60 o cantor se jogou mais uma vez na TV e começou a apresentar um programa de igual nome ao seu movimento: Jovem Guarda. Estavam à frente da apresentação na TV Record Erasmo Carlos, a cantora Wanderléa e Roberto Carlos. O Rei ficou alguns anos ainda na TV, mas deixou para se dedicar ainda mais à sua musicalidade e seguiu com diversos sucessos e até filmes. Por diversos anos, Roberto Carlos foi mesmo um fenômeno de vendagens.

Um Cantor Romântico

Mais velho, mais experiente e rico, Roberto Carlos já não precisava cantar o que não queria ou músicas apenas para vender. Começou então, já nos anos 70, sua fase mais romântica e mais sucessos vieram, como As curvas das estradas de Santos, Detalhes, Amada Amante, Vista a roupa meu bem e Jesus Cristo. 

Transtorno Obsessivo Compulsivo

Mais famosa que a carreira do próprio cantor são mesmo as suas manias. Roberto Carlos é conhecido no mundo todo, mas suas manias tem uma fama enorme. Sempre que começa uma nova data de shows os jornais comentam suas exigências, que não são poucas. Mesmo depois de um tratamento longo, os especialistas já comentam que o cantor sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo em alto grau e precisa muito mais que apenas umas sessões para se curar do problema, que não vem atrapalhando a carreira de um modo grave até agora.

Com medo da má sorte em sua carreira, Roberto Carlos não canta mais desde os anos 80 a canção Negro Gato, sucesso por décadas em rádios. Também veste azul e branco, consideradas cores da sorte e não permite que pessoas com outras cores de roupas subam ao palco com ele.

Outra mania de Roberto Carlos é odiar a cor marrom e não querer pessoas no estúdio com ele com esta cor de roupa em nenhum acessório. Ele odeia pessoas vestindo preto do lado dele e considera de má sorte. Também exige apenas toalhas brancas em seu camarim. 

Você Sabia que Roberto Carlos usa Prótese?

Pouca gente sabe, mas o famoso cantor brasileiro não tem uma perna. Aos 6 anos de idade ele foi atropelado por uma locomotiva e teve a perna direita removida. Usou por diversos anos uma muleta, mas assim que pôde, comprou uma prótese com efeito real de uma perna e a usa até hoje.

Sobre o acidente, o cantor é bastante reservado. Muitos jornais já tentaram revelar os detalhes deste acidente, mas RC já vetou de diversas formas esta invasão de privacidade junto com jornais impressos e programas de TV de diversas emissoras famosas. Até mesmo a TV Globo foi vetada de mostrar detalhes em programas como o Jornal Nacional sobre a perna mecânica do cantor.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Cantores

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *